Destaque:

Estado brasileiro na encruzilhada. Já sabemos o que a Globo quer... e você?

Atualizado em 7/12: O <<juízo final>> no STF hoje Queria poder dizer que criei esta montagem, mas não......

Receba novos posts por email!

9.11.16

TRUMP: A VINGANÇA – KAMIKAZE! – DOS 99% CONTRA O 1%



Trump: a vingança – kamikaze! – do 99% contra o 1%

Por Romulus

– Trump promete nada menos que rever todos os acordos comerciais bilaterais dos EUA, para uma substituição de importações tardia... algo inimaginável! E afirmo isso como especialista na disciplina. Só não digo que Trump pratica estelionato eleitoral (mais um) porque ninguém pode afirmar ao certo o que se passa na cabeça do sujeito. Vai que....

– Vingança do 99%?
Qual foi o causus belli entre o eleitorado e a classe política tradicional?
Respondo:
A implementação em menor ou maior velocidade – mas “inexorável” – do Consenso de Washington a partir dos anos 80.

– Rentistas e financistas abusaram:
Tomaram partido da alavancagem que detinham sobre o poder político para sangrar os orçamentos públicos até quase o ponto de ruptura.
Produziram a maior concentração de renda da História humana:
Em 2016, pela primeira vez o célebre 1% do topo detém mais riquezas que todos os outros 99%!

– E os políticos?
Também abusaram.
Usaram à exaustão os artifícios de que costumam tomar partido para mascarar a tunga que finança e rentistas fazem no orçamento público.


Que artifícios?
Os da política, ora: discursos insinceros, hipocrisia, cinismo, cara de pau e sucessivos estelionatos eleitorais.

– E o que resta à esquerda, minorias e setores populares no mundo?
Por ora, imperativos de sobrevivência:
União (desesperada?) e política de contenção de danos, com luta pela mitigação das perdas dos vulneráveis.
Simples assim.




*


É sem nenhuma vaidade pessoal que tenho de vestir a carapuça de Cassandra condenada e dizer (mais uma vez...):



– Eu avisei!

Reproduzo, mais abaixo, partes de dois posts publicados neste ano, no meu blog no GGN. Um, há um mês, logo depois do primeiro turno das eleições municipais brasileiras. O outro, em junho, logo depois da vitória do Brexit em referendo no Reino Unido.

Mas por quê?

O que os eventos tratados nesses dois posts, o Brexit e as eleições municipais brasileiras, têm em comum entre si e – mais importante! – com bomba do dia:

A surpreendente (?) vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais dos EUA?

Ora, respondo com o título deste post:

– Tratam-se todos eles de ~ marcos ~ (históricos!) da vingança do 99% contra o 1%.

Infelizmente (para todos nós!), como noto no título, trata-se de uma vingança...

– ... kamikaze!

*

Senão vejamos:

Eleições municipais: política se tornou apolítica?!

(post originalmente publicado em 4/10/16)

Por Romulus

Questão interessante colocada pelo comentarista André B depois de ler o post de ontem (“Que Dória que nada! Sr. Indiferença e lobbies vencem eleições de 2016”)
– A política se tornou então apolítica?
Para responder, temos de fazer a distinção entre duas das várias acepções da palavra política.
Por definição, a "política" enquanto correlação de forças com vistas a cuidar dos problemas da polis não pode ser apolítica. Seria ilógico e mesmo contrafático. Até nas ditaduras mais fechadas e sanguinárias, nos regimes mais autocráticos, há ainda essa tal correlação de forças, embora restrita a um “colégio eleitoral” mínimo. Pense num ditador “militar” vs. seus generais, como em Angola ou na Coreia do Norte. Ou no Comitê Permanente do Politburo do Partido Comunista da China – composto por apenas de 5 a 9 pessoas. Na China isso fica ainda mais claro: evidentemente a atual complexidade da sociedade chinesa exige correlações de força muito mais abrangentes do que os acertos entre a meia dúzia do Politiburo.
Mas no que tange à palavra "política" em sua dimensão partidária-eleitoral nas democracias ocidentais – centrais ou periféricas – não tenham dúvida: a política se torna cada vez mais apolítica. Sim: um oximoro, um paradoxo apenas aparente.
Primeiro porque o colégio eleitoral volta – depois de 100 anos de expansão e franqueamento democratizante – a se estreitar.
Agora num movimento “voluntário”, em que o eleitorado “deliberadamente” fica indiferente à disputa política tradicional. Isso quando não resolve votar naquele que chega de repente e promete fazer a “casa cair”:
(i) Ou pregando uma “pegadinha” deliberada nos políticos tradicionais, que tantas “pegadinhas” vêm pregando neles há décadas (modalidade 1 de “voto de protesto”);
(ii) Ou num impulso de rejeição generalizada, refletindo um descontentamento difuso, não muito bem articulado ou mesmo verbalizado (modalidade 2 de “voto de protesto”);
(iii) Ou, em último caso, como resposta ao desespero diante da indigência batendo às suas portas. Nesse ponto, a taxa de desconto (conceito da Economia) do europeu e do norte-americano pauperizado volta àquela da África Subsaariana. O que importa é garantir o jantar de hoje à noite. E não “impedir o aquecimento global” ou evitar uma guerra comercial como a que levou à Segunda Guerra Mundial.
Trump promete nada menos que rever todos os acordos comerciais bilaterais dos EUA, para uma substituição de importações tardia... algo inimaginável! E afirmo isso como especialista na disciplina. Só não digo que Trump pratica estelionato eleitoral (mais um) porque ninguém pode afirmar ao certo o que se passa na cabeça do sujeito. Vai que....
E como chegamos aqui, a este completo descasamento entre eleitorado e a classe política e partidos tradicionais?
A minha tese é a de que isso decorreu de um processo de divórcio lento e demorado – 30 anos!
Qualquer divorciad@ confidenciará que os longos são os piores... qualquer sentimento de respeito, apreço e mesmo consideração terá tempo suficiente para sumir por completo diante da sedimentação e da introjeção da ideia de que o outro não fará mais parte da sua vida. Não só não fará parte como, a partir de determinado momento, pode passar facilmente à figura de antagonista, em caso de “litigio”.
E qual foi o causus belli entre o eleitorado e a classe política tradicional?
A implementação em menor ou maior velocidade – mas “inexorável” – do Consenso de Washington a partir dos anos 80.
Não importava em quem se votava: Democrata ou Republicano, PT ou PSDB. O grosso do programa de governo – a parte que trata da “fatia do leão” dos orçamentos públicos – já estava dado por FMI, Banco Mundial e credores das dividas soberanas (outros Estados ou banca internacional).
Diferença se havia – e havia! – limitava-se a:
(i) políticas de mitigação da pauperização da base da pirâmide, como transferência de renda; ou
(ii) esforços para dar ao sistema uma cara menos desumana, tentando cavar pequenas rachaduras nos “tetos de vidro” (glass ceilings), instransponíveis aos filhos desse andar de baixo. Verdadeiras barreiras “sutis” à ascensão social.
E por que de tetos de vidro? Porque são “invisíveis”, “suits”... pode-se admirar toda a beleza do que fica para além deles. Mas o incauto debaixo que ousar avançar contra os mesmos quebrará a cara. O vidro é blinddo!
*
Pois bem. Recapitulando, ficamos então com:
– 30 anos de Consenso de Washington “inexorável”; e
– Escolha apenas entre com ou sem “anestesia”.
Ora, num quadro assim inevitavelmente surgirá a indagação: “votar para quê?"

E isso seja na Europa Ocidental da “socialdemocracia” (a partir daí com aspas mesmo...), no modelo “com anestesia”, seja nos EUA da Reaganomics e da trickle down economics, o “gotejamento” do topo para a base da pirâmide da riqueza que se deixa crescer – “sem embaraços do governo!” – lá em cima. Ou seja: o modelo zero anestésico.
E por que num segundo momento passa-se da indiferença do eleitorado à hostilidade aberta contra a política tradicional? À sua negação?
Porque os rentistas e financistas abusaram.
Tomaram partido da alavancagem que detinham sobre o poder político para sangrar os orçamentos até quase o ponto de ruptura.
Soa familiar no Brasil de 2016 e de teto de gastos não financeiros por 20 anos?
Rentistas e finança foram extremamente favorecidos pela conjuntura:
– Fim da ameaça (alternativa?) “vermelha";
– "Fim da História" (?) de F. Fukuyama, como corolário da “inexorabilidade”;
– A liberalização selvagem dos mercados no Centro e na Periferia, muitas delas se valendo da nossa já conhecida "Doutrina do Choque", de Naomi Klein.
Eles abusaram sim... produziram a maior concentração de renda da História humana! Em 2016, pela primeira vez o célebre 1% do topo detém mais riquezas que todos os outros 99%.
O divórcio é então por culpa exclusiva dos rentistas e de sua ganância?
Não. Os políticos também abusaram nos artifícios que costumam utilizar para mascarar a tunga que finança e rentistas fazem no orçamento público.
Que artifícios?
Os da política, ora: discursos insinceros, hipocrisia, cinismo, cara de pau e sucessivos estelionatos eleitorais.
Resultado?
O eleitorado ficou imune. Está "dessensibilizado", como digo no post de ontem. Isso com a ajudinha providencial da grande mídia e dos seus patrocinadores, como explico lá.
Que fazer agora quando os que foram sacaneados por 30 anos resolvem sacanear de volta o sistema com a única arma que lhes resta - o voto?
"Greve"? "atos públicos"? “boicotes”? “desobediência civil”?
Quando? Onde?
Situação difícil...
Ainda mais num contexto de fim do "carreamento" do mercado de opinião pela mídia hegemônica, por natureza moderada e moderadora, em virtude da mudança tecnológica e da ascensão das redes sociais e de suas bolhas rivais.
Ainda vamos bater muito a cabeça antes de descobrir como sair deste buraco em que nos encontramos.
Por ora, imperativos de sobrevivência:
– União (desesperada?) das esquerdas e política de contenção de danos, com luta pela mitigação das perdas dos setores populares / vulneráveis.
Simples assim.
*   *   *

Cameron tira faca do pescoço da UE, mas usa para haraquiri: os bastidores políticos do Brexit

(post originalmente publicado em 29/6/16)


(...)

O troco dos esquecidos e a advertência ao establishment econômico e político
Não se enganem: há todo um texto de xenofobia, descrença nas instituições e chauvinismo no voto pelo Brexit. Mas há também um subtexto, a que poucos estão dando atenção. Não dão porque ele claramente não convém ao establishment. Nem ao político nem ao econômico.
E que subtexto é esse?
Ora, “é a economia, estúpido”. O Brexit não deixa de ser o troco que dá – à City Londrina – a “Inglaterra profunda”. Ou seja, aqueles segmentos da população pobre com pouca educação formal, vitimada pela desindustrialização e pela financeirização desenfreada do Thatcherismo para cá.
A City explodiu economicamente! Passou inclusive Nova York como a maior praça financeira do mundo.
Bravo, Maggie T.!

E o norte da Inglaterra?
E o interior?
Saibam que há famílias, como as dos mineiros de carvão com quem Maggie Thatcher travou a histórica queda de braço, que já estão na terceira geração de pessoas perpetuamente desempregadas (!). Ou seja, o avô mineiro nunca mais conseguiu emprego depois que Thatcher fechou a sua mina. E pior: vivem em cidades-fantasma em que seu filho e seu neto nunca conseguiram empregos tampouco. Durante todas as suas vidas!
E o que as três gerações de desempregados perpétuos veem na TV?
Ora, a exuberância dos números da City Londrina e a fala dogmática dos seus yuppies – os originais, da geração X, mas também os seus minions, da geração Millennial. Falando todos eles, evidentemente, com a empáfia e a arrogância que lhes é peculiar.
E que arma é dada à “Inglaterra profunda” para revidar pelos decênios de espoliação e transferência de renda para a City, à la Robin Hood às avessas?
Apenas uma: o voto. E, com ele, o apoio – sincero ou em protesto – aos discursos populistas, demagógicos, extremistas e anti-sistema.
Soa familiar?
Lembra em alguma coisa o crescimento da franja política de extrema-direita no Brasil de 2013 para cá?
[Solto um longo suspiro]

*

Demagogia tipo exportação
Não por acaso Marine Le Pen fez, na França, pronunciamento quase ao mesmo tempo em que Cameron pedia, ao vivo, demissão. Isso logo após a confirmação de que o Primeiro-Ministro tirara a faca do pescoço da UE tão somente para com ela... fazer um haraquiri!
Adeus, Cameron! Gênio...
Mas...
Olá, Marine le Pen!
Saibam que o grosso do novo eleitorado de Marine e da sua Frente Nacional é composto por ex-apoiadores da esquerda nos extratos mais populares e com menor educação formal, novos excluídos da sociedade de consumo. “Novos” porque em geral tinham empregos, que desapareceram na onda de desindustrialização, financeirização e achatamento do orçamento público dedicado à educação, geração de empregos e seguridade social. Isso se dá no campo, mas também nas cidades, principalmente as do Norte da França, berço – e ao mesmo tempo cemitério! – da industrialização no país.
Ok... digo sim adeus a Cameron.
Mas...
Serei obrigado a dizer “olá” a Marine Le Pen?
Sério?

*
Epílogo:
Como se diz “eu avisei...” em inglês mesmo, hein?
Por quê?
Porque, segundo a S&P, o resultado do referendo pode levar a “uma deterioração da performance econômica do Reino Unido, inclusive do seu enorme setor de serviços financeiros".
Sério?! Não imaginava coisa parelha...
Mais cedo a Libra despencou ao nível mais baixo dos últimos 31 anos em relação ao dólar. Além disso, os mercados fecharam em queda pelo segundo dia consecutivo.
Na sexta-feira, outra agência de risco, a Moody's, rebaixou a perspectiva do rating soberano do Reino Unido para negativa.
Adeus, Cameron... vá com Deus.
Não vamos sentir a sua falta.
Ah, a propósito: lembrei como se diz “eu avisei...” em inglês:
– I told you so.
Ou, para ser profético-dramático e empregar retórica bíblica:
– The writing [was] on the wall.

*

>>Atualização 9/11/16<<

Mercados desabam com a vitória de Donald Trump nos EUA:




Vocês sentem pena do 1%?

Com suas ações e ativos perdendo valor?

Eu não tenho nenhuma!

Pena eu sinto é das minorias e das classes populares, que serão fatalmente atingidas. Ou no meio do tiroteio, ou – pior! – oferecidas em holocausto para purgar a malaise social global.

As minorias, sacrificadas pelas massas brutalizadas pela exclusão de 30 anos.

E os direitos sociais dos setores populares, como gesto de composição com...

– ... o 1%!

Que, aceitem (?), nunca perde.

Pelo menos não totalmente...

Quem viver verá.

Ontem:





Hoje:



2017?

E depois, minha gente?!


???

*
Bônus: rir da família Trump brasileira para não chorar do Brasil
Fecho esse mega-post com a “genialidade” da nova geração da família Bolsonaro.
Haja meritocracia!
Engraçado como os “meritocráticos” na política – e na mídia e no Judiciário e na... – sempre encaixam os “talentosos” filhos no seu métier, não é mesmo?



*

Atualização 13/11:


Cristina Kirchner avalia razões da vitória de Trump nos EUA.

*   *   *

Achou meu estilo “esquisito”? “Caótico”?

- Pois você não está só! Clique na imagem e chore suas mágoas:


*

(i) Acompanhe-me no Facebook:


*

(ii) No Twitter:


*

(iii) Aqui no meu blog (óbvio!) – assine aí embaixo para receber novos posts por email!


*

(iv) E também no GGN, onde os posts são republicados:


*


Quando perguntei, uma deputada suíça se definiu em um jantar como "uma esquerdista que sabe fazer conta". Poucas palavras que dizem bastante coisa. Adotei para mim também. 









12 comentários:

  1. Primeiramente... parabéns pelo novo blog!
    Em segundo lugar... dane-se o Temer, que já se danou tudo mesmo!
    Gosto muito da sua visão macro dos fatos. A gente não perde vista a interligação dos eventos, o que nos ajuda a entender melhor o duro momento em que vivemos e como chegamos a ele.

    ResponderExcluir
  2. Novo espaço? Que dia(s)! Estamos em rota de colisão com a civilidade e a esperança. Cada dia mais cinza o horizonte. Mais um compêndio. Abraço. Anna.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é.

      Tive problema com os ataques ao GGN.

      Perdi um post pronto ontem! 10h de trabalho e uma noite virada na lata do lixo!

      Então por precaução agora vou fazer backup aqui.

      Excluir
  3. Seu melhor post, Romulus!!! Direto no ponto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. valeu, mas esse foi mais um "melhores momentos" de posts passados.

      Infelizmente "the writing [was] on the wall".

      Excluir
  4. Há um outro lado: o war party perdeu e a WWIII fica adiada.

    ResponderExcluir
  5. Vamos supor que o 1% não está gostando nada desses cidadãos kamikazes e está propondo uma tal de epistemocracia: http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2016/11/1829957-decisao-politica-deveria-vir-dos-que-tem-conhecimento-diz-filosofo.shtml?mobile

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é...
      Sempre vêm com essas propostas demofóbicas. Patético.

      Excluir
  6. Desculpe, Romulus, mas não vi onde se encaixou a atualização de hoje.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Tânia.

      Provavelmente quando você leu ontem já devia ter o acréscimo.

      No mais mudei o layout mesmo.

      Daqui a pouco vou subir um outro Post relacionado.

      Ia colocar como atualização, mas melhor subir como autônomo.

      Excluir

Receba novos posts por email!