Destaque:

Estado brasileiro na encruzilhada. Já sabemos o que a Globo quer... e você?

Atualizado em 7/12: O <<juízo final>> no STF hoje Queria poder dizer que criei esta montagem, mas não......

Receba novos posts por email!

18.11.16

Nota de esclarecimento - Coletivo de Advogados e Advogadas Populares do Distrito Federal CAAP/DF

| NOTA DE ESCLARECIMENTO |


O Coletivo de Advogados e Advogadas Populares do Distrito Federal CAAP/DF, que acompanha as ocupações e ações judiciais decorrentes destas, secundaristas ou de educação superior, vem a público repudiar a matéria "Alerta de advogados engajados na defesa das ocupações: Brasília é o Plano Piloto da repressão em nível federal", publicada na data de hoje 18/11/2016.

(clique na imagem para abrir)

Esclarecemos que a matéria assinada por "advogados engajados" NÃO representa o trabalho e nem a opinião deste coletivo, que desde o inicio tem acompanhado as ocupações na tentativa de evitar e coibir as diversas violações de direitos.


Nosso trabalho é de assessoria jurídica e não de manifestantes. Respeitamos todas as formas de atuação política e não interferimos nas deliberações dos coletivos e movimentos. Também não questionamos as formas de organização da sociedade civil, seja estudantil ou qualquer outra.

Sobre o movimento de articulação das mobilizações não cabe a este coletivo definir, deliberar ou julgar qualquer atuação do movimento, já que nosso posicionamento é o de respeito a organicidade de qualquer movimento social.

Também não desqualificamos qualquer vinculação, partidária, já que trata-se do exercício de um direito político do Estado Democrático de Direito, nos termos do artigo 14, § 3º da Constituição Federal e artigo 17 que assegura a livre criação e participação em partidos políticos.

A decisão sobre a permanência ou não nas ocupações, sobre a espera da chegada ou não da polícia para a desocupação é decisão tomada EXCLUSIVAMENTE pelo movimento.

Não cabe a este coletivo julgar de que forma chegaram a esta decisão, pois respeitamos todas as formas de organização.

Também repudiamos opiniões de caráter pessoal, que não representam este coletivo, na tentativa de desqualificar, desestabilizar ou criar animosidades dentro do grupo.

Sobre o relato da "farsa judicial" é lamentável que essas interpretação seja levada de maneira inconsequente, retroalimentando uma cultura midiática e consumista de informações precárias e que carecem de credibilidade.

O relato coloca uma narrativa que não expressa o perfil do trabalho que está sendo realizado por este coletivo.

Ao afirmarem
"NOSSA atuação ...",
"...evitaMOS a identificação...",
"FicaMOS indignados",
"NÓS entramos com agravo...",
"...não NOS reconhece como parte legítima...",
"Nós entraMOS com HC e esse foi denegado".

Nós quem?

"Advogados engajados"?

Ou os Advogados e Advogadas Populares?

Por fim, deixamos nosso pesar pelo relato publicado, sem que este coletivo tivesse a oportunidade de externar sua opinião. O relato representa um verdadeiro desserviço e uma afronta aos princípios de cooperação mútua e voluntarismo do coletivo.

Assessoria de Comunicação:
Coletivo de Advogados e Advogadas Populares do Distrito Federal CAAP/DF

Brasília/DF, 18 de novembro de 2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Receba novos posts por email!