Destaque:

Estado brasileiro na encruzilhada. Já sabemos o que a Globo quer... e você?

Atualizado em 7/12: O <<juízo final>> no STF hoje Queria poder dizer que criei esta montagem, mas não......

Receba novos posts por email!

23.5.17

As "Diretas Já" e a melodia da “Flauta Mágica”



As "Diretas Já" e a melodia da “Flauta Mágica”


- O problema de tocar a “flauta mágica” na política: a ressaca quando acaba a melodia.



(Trecho do post <<“Jogo” da sucessão de Temer: políticos resolvem peitar a Globo (!)>>)

(...)

Maria: Discussão brava, né? Ciro e Romulus têm razão em falar do imediatismo do presente contra a incerteza do futuro.


Mas transformar isso em critério geral de análise da política faz do sarcasmo uma marca de desprezo do povo que é de doer!


Elitismo de classe ou geral?


Romulus disse que acredita em tudo o que escreveu no artigo, mas pelo jeito só pra ficar bem na fita, porque "sabe" que, com esse povo de merda de idiotas mortos de fome, nada disso nunca chegará a ser posto em prática.


Pelo menos serve pra orientar gente como o João Antonio que, quando diz ou escreve alguma coisa, parece acreditar que isso deve ter algum efeito na vida real.


E não se diga que isso é confundir torcida com análise. Porque, com esse tipo de análise, era mais fácil deixar de perder tempo com essa bobagem de política e ir cuidar do próprio umbigo ou, mais delicadamente, como diz o Max Weber, do próprio jardim.


Em todo caso, João, parabéns pela força de resistir ao massacre em dose dupla e concertada.


Ciro: Guilty as charged! :-D


Só discordo que haja desprezo pelo povo. Acho que o povo vota muito coerentemente de acordo com o que eles acham que são as prioridades deles.


A intelectualidade (tanto de esquerda quanto direita-liberal) é que parece desprezar essas questões concretas da vida humana e por isso tende a não conseguir vitórias eleitorais em proporcionais, o que é um fato concreto da vida política brasileira.


O Centrão manda in secula seculorum. E isso não é por acaso. Alguma coisa eles estão fazendo de certo.


Desprezar o povo também é achar que ambulância é menos importante do que a aposentadoria. Coisa q tanto a esquerda, mas especialmente os liberais, teimam em fazer.


Maria: Entre a ambulância trazida pelo deputado que votou a precarização do trabalho e o emprego em regime precário que acabou de perder, sem qualquer direito trabalhista a reivindicar, acho que o trabalhador sabe distinguir onde está seu interesse na hora de votar.


Ciro: Explique então o resultado de basicamente todas as eleições legislativas – nos 3 níveis – dos últimos 20 anos.


Romulus:


Maria (sobre mim):
Romulus disse que acredita em tudo o que escreveu no artigo (“Diretas”), mas pelo jeito só pra ficar bem na fita (!), porque "sabe" que, com esse povo de merda (??) de idiotas mortos de fome, nada disso nunca chegará a ser posto em prática.
Pelo menos serve pra orientar gente como o João Antonio que, quando diz ou escreve alguma coisa, parece acreditar que isso deve ter algum efeito na vida real.


E a luta política só tem efeito na vida real se a meta da luta for plenamente atingida, né?


Se alguém faz uma campanha e perde a eleição não adiantou de nada, né?


Lula só passou a ser relevante politicamente em 2002, quando... ganhou, né?


Em política não existe "perder ganhando" e "ganhar perdendo", né?


E tampouco existe perder estando "do lado certo da Historia", marcando posição, né?


Ter e lutar por uma bandeira legítima e na qual acredito de todo coração (“Diretas Já!”) – capaz de mobilizar a resistência ao golpe! – é “inútil” porque "no final... não vai ter eleição direta", né?


Bem, então concluo que as "Diretas Já" de 84 foram um nada, né?


Bem como todas as campanhas eleitorais do Lula pré-2002 – começando com a mítica de 89!


De nada valeram...


Assim como de nada valeu a campanha do Jean-Luc Melénchon – que há algumas semanas levou você, Maria, às lágrimas!


Poxa, o cara sequer passou do primeiro turno...


Pior: terminou em 4o lugar!


*


Se é assim, melhor ir “cuidar do jardim” (ou do umbigo) mesmo então...


Porque, a acreditar nisso tudo aí, não existe a luta ~na História~...


Só a próxima eleição (!)


*


Maria: "e não se diga que isso é confundir torcida com análise”.


Ah, pois eu digo sim...


Não fazer esse tipo de analise é fazer como toda a “blogosfera progressista” aí está fazendo e ir "bater panela" junto com...


- ... a Globo!


Não admitir que provavelmente não haverá “Diretas” é ficar tocando a “flauta mágica” para encantar os ratinhos ignaros...


../../Desktop/flauta%20magica%201.jpg



Mas aí, quando a “música” acabar (com uma eventual eleição indireta), os ratinhos ficarão perdidinhos, não?


Sem chão...


“Onde estão”?


“Como chegaram até ali”?


“Cadê as suas casas”?


Resultado:


Estado de choque, apatia, depressão, desmobilização...


Prontinhos para levar um golpe atrás do outro, como ensina a Naomi Klein em “Doutrina do Choque”.


E, como já estão perto do rio, mais fácil de jogá-los logo lá dentro, não?


*


Da metáfora para o pesadelo (bem real):


- O “não vai ter golpe!” foi lindo, né?



Lutei com todas as minhas possibilidades contra ele – todos aqui são testemunhas privilegiadas.


Mesmo sabendo que muito provavelmente...


- ... “teria golpe” sim...


Talvez, por não ser nem um “ratinho encantado” nem um “encantador tocando flauta”, não tenha ficado...


(depois que “teve golpe” sim...)


- ... “em estado de choque, apático, deprimido, desmobilizado”.


(e espero que quem me leia tampouco!)


Mas...


Podemos falar o mesmo dos “ratinhos” que tinham sido encantados pela flauta que tocava o lindo “não vai ter golpe”?


Quanto tempo demorou para, depois do golpe (sim...), a resistência, por parte desses, (re) começar?


- 1 ano!


- Só agora!


A PEC dos gastos passou sem problema nenhum, não foi?


Já a da Previdência tá perigando não passar, não é?


Imagine você:


- Agora teve Greve Geral e tudo!


Parece que pode até ter outra daqui a pouco!


Sim, eu sei que não se atrai tanto ratinho sem tocar flauta mágica – “vai ter ‘Diretas’ sim... basta você querer de todo o coração!!”...


Mas ratinho não encantado não fica em choque quando passa o encantamento, sabe...


E ademais, para o bem e para o mal, eu sequer conseguiria tocar a flauta mágica...


Nunca nem tentei...


Honestidade intelectual não me permite.

*

Mais sobre o tema da honestidade intelectual no debate público e na ação política aqui:


*


E, como visto, o benefício político ~imediato~ do encantamento – no ~longo~ prazo – parece ter saldo bastante questionável...


../../Desktop/flauta%20magica%202.jpg


*

- <<As "Diretas Já" e a melodia da “Flauta Mágica”>>






*   *   *

- Siga no Facebook:



- E no Twitter:


*


Achou meu estilo “esquisito”? “Caótico”?


- Pois você não está só! Clique na imagem e chore as suas mágoas:


(http://www.romulusbr.com/2016/12/que-poa-e-essa-vol-2-metalinguagem.html)


(http://jornalggn.com.br/blog/romulus/que-p-e-essa-ora-essa-p-e-romulus-por-o-proprio)


*




Quando perguntei, uma deputada suíça se definiu em um jantar como "uma esquerdista que sabe fazer conta". Poucas palavras que dizem bastante coisa. Adotei para mim também.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Receba novos posts por email!