Destaque:

Estado brasileiro na encruzilhada. Já sabemos o que a Globo quer... e você?

Atualizado em 7/12: O <<juízo final>> no STF hoje Queria poder dizer que criei esta montagem, mas não......

Receba novos posts por email!

2.6.17

Juristas pela Democracia repudiam Excepcionalidade na Justiça



CARTA DE BRASÍLIA CONTRA A EXCEPCIONALIDADE NO SISTEMA DE JUSTIÇA


Brasília, 29 de maio de 2017

Juristas, políticos, estudantes e membros da sociedade civil, reunidos em Brasília, no dia 29 de maio de 2017, no Memorial Darcy Ribeiro - Universidade de Brasília-UnB, por ocasião da realização do Seminário “Estado de Direito ou Estado de Exceção? A Democracia em Cheque” promovido pela Fundação Perseu Abramo e pela Frente Brasil de Juristas pela Democracia, e com o objetivo de debater e refletir sobre o Estado Democrático de Direito e o Sistema de Justiça na atual conjuntura da política brasileira, vêm a público manifestar grave preocupação com o uso excessivo da excepcionalidade jurídica por membros do Ministério Público e do Judiciário, fraturando a essência constitucional e convencional das garantias do Justo Processo e dos princípios elementares que o acompanham em qualquer sociedade democrática.


1. Defensores que somos de uma sociedade livre, justa e fraterna e reconhecendo a complexidade da sociedade brasileira –  historicamente oligárquica e desigual no acesso à justiça e sistemicamente corrupta – enfatizamos que as conquistas decorrentes do princípio do Devido Processo Legal são irrenunciáveis garantias das quais decorrem o Estado de Inocência, a Imparcialidade do Juiz, a Motivação das Decisões, a Proibição da Prova Ilícita, a Isonomia, a Publicidade dos Atos Processuais, a Inafastabilidade da Jurisdição, a Ampla Defesa e a Assistência Jurídica Gratuita;

2. Conscientes de que a Constituição brasileira e a ampla legislação de amparo infraconstitucional asseguram o que é consenso universal, disposto no artigo 10º da Declaração Universal de Direitos Humanos de 1948, que toda pessoa tem direito, em plena igualdade, a uma audiência justa e pública por parte de um tribunal independente e imparcial, entendemos que não há hipótese que possa justificar um juízo excepcional, nem mesmo para o nobre e necessário fim do combate à corrupção;

3. Conhecedores do esforço da sociedade internacional em criar um Marco Internacional de Combate à Corrupção para enfrentar um mal que é transnacional e que acompanha os fluxos econômicos e financeiros do capitalismo neoliberal – marcado pela financeirização, transnacionalização e acumulação sem precedentes da riqueza e do poder em mãos privadas – enfatizamos que o combate à corrupção no Brasil exige compreender o Estado e a Administração Pública de modo igualmente sistêmico, não sendo tarefa para um único poder da República;

4. Setores do Judiciário e do Ministério Público, ao justificarem a necessidade do uso de meios e métodos heterodoxos, transitando indiscriminadamente entre direito e política, criam situações processuais inéditas de desrespeito às regras elementares do processo democrático para combater “inimigos corruptos e corruptores”, e o fazem por meio de inovações processuais como o uso indiscriminado da condução coercitiva, da prisão preventiva, da aceitação de provas ilícitas, provas seletivas e indícios como prova, da delação premiada em condições extremas, situações que transformam o processo em um julgamento de exceção, corrompendo as funções acusatórias e do juiz natural, não sendo desarrazoado falar em Corrupção do Sistema de Justiça;

5. Somos conscientes de que a corrupção é um fenômeno social, político, econômico e, como visto, também jurídico que afeta a todos, mina as instituições democráticas, retarda o desenvolvimento econômico e fragiliza a governabilidade, e precisa ser firmemente combatida, mas não a qualquer preço, menos ainda às custas de direitos fundamentais tão duramente conquistados em anos de luta contra a opressão e o arbítrio;

6. Acreditamos ainda que o excesso de punitivismo promovido por setores dentro do Sistema de Justiça, praticado livremente e sem a devida correição, coloca em risco outras instituições e poderes democráticos, pois que, sendo praticado pelo próprio judiciário, será inevitavelmente tomado como exemplo de impunidade, de que nada acontecerá com a atuação que suspende a aplicação da lei, excepcionando o Estado de Direito, com consequências gravíssimas, como pudemos constatar nos recentes casos de massacre no campo, e perceber com o aumento da violência e repressão aos movimentos sociais e aos trabalhadores exercendo o direito de manifestação e de greve;

7. Complementarmente, percebemos o papel da Mídia hegemônica, tanto televisiva como escrita, no sentido de reforçar e justificar a excepcionalidade com o fim de convencer a opinião pública sobre a necessidade de uma “justiça justicialista” contra um “inimigo comum”: por vezes “a corrupção”, por vezes alvos políticos e partidos escolhidos seletivamente, em razão de objetivos eleitorais ligados a grupos econômicos, empresariais e oligarquias;

8. Nesse sentido, nós repudiamos o jornalismo praticado por empresas de telecomunicação e jornalismo que, igualmente corrompidas e corruptoras, mentem, enganam, violam o direito à informação e à verdade dos fatos, sendo corresponsáveis pela instabilidade institucional e política do Brasil, coniventes com o aumento do autoritarismo, com os retrocessos sociais e com a violência, não sendo desarrazoado falar em Corrupção da Mídia no Brasil;

9. Inspirados nos debates e reflexões a respeito das fraturas da democracia brasileira desde o impeachment da Presidenta Dilma Rousseff e no contexto de um legislativo antipopular e corrupto, aprovando as medidas sociais das mais severas que o Brasil já experimentou, não é sem razão que nos perguntamos se vivemos em um Estado Democrático permeado por Medidas de Exceção ou se, como entendem alguns, já vivemos efetivamente em um Estado de Exceção;

10. Acreditamos ser direito e dever de todos os que defendem a democracia, denunciar os difíceis percursos do autoritarismo da sociedade brasileira que, guardadas as distinções em cada tempo histórico, ainda funciona marcada pelas permanências autoritárias de uma transição democrática malfeita, pactuada e incompleta desde a luta pela Anistia até os dias atuais, permanências que também se revelaram no Sistema de Justiça brasileiro.

Brasília, 29 de maio de 2017

Frente Brasil de Juristas pela Democracia


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Receba novos posts por email!